Open/Close Menu Hospital de Olhos

Dentre as principais patologias que causam problemas à retina estão a Retinopatia Diabética, a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) e o Descolamento de Retina.

A visão é um dos sentidos mais importantes do corpo. Por meio da visão somos capazes de reconhecer cores, pessoas e objetos, além de “absorver” melhor tudo o que nos circunda. E uma das “peças” fundamentais para o bom funcionamento da nossa visão é a retina – camada fina de tecido nervoso responsável pela formação de imagens. Para evitar problemas, é imprescindível que as pessoas realizem consultas periódicas, pois existem diversos tipos de doenças que podem acometer a retina e ocasionar visão embaçada, perda parcial ou total da visão. Dentre as mais frequentes estão a Retinopatia Diabética, a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) e o Descolamento de Retina.

Segundo a Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV), 69% dos portadores de diabetes tipo 2 não conhecem a retinopatia diabética, apontada como a principal causa de perda de visão entre esses pacientes. A doença pode aparecer de forma insidiosa, com poucos ou nenhum sintoma, sendo, portanto, indispensável o acompanhamento com retinológo. “Com o desenvolvimento da patologia, o paciente começa a perceber a visão embaçada. Em estágios iniciais da doença, o controle rigoroso da diabetes e o tratamento com a fotocoagulação a laser podem ser suficientes. Já nos casos mais graves pode ser necessário tratamento com injeções intraoculares de medicamentos ou até mesmo uma cirurgia retiniana, para tratar complicações graves como hemorragias intraoculares e/ou descolamento da retina”, explica Dr Paulo Jorge Saunders, oftalmologista, presidente da Sociedade de Oftalmologia de Pernambuco e diretor do departamento de retina e vítreo da Oftalmax Clinica e Cirurgia Ocular.

O descolamento de retina é outra doença retiniana grave, que se destaca quando o assunto é saúde ocular. O descolamento da retina acontece quando a retina neural se separa do epitélio pigmentar da retina. Se o descolamento for parcial, a visão pode perder a nitidez e, em caso de descolamento total, pode desaparecer. A patologia pode ter poucos sintomas ou nenhum devido à compensação da visão pelo outro olho e, nesses casos, o diagnóstico só é possível por meio de exame oftalmológico com mapeamento da retina e ou ultrassonografia ocular. “A descoberta precoce e o tratamento adequado são imprescindíveis para a preservação da função visual. As técnicas modernas de cirurgia vítreo-retiniana possibilitam o sucesso do tratamento na grande maioria dos casos”, alerta o especialista.

Na população com faixa etária acima de 65 anos, a principal doença da retina é a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI). Trata-se de uma degeneração da região central e mais importante da retina, a mácula, responsável por captar a visão de detalhes, com mais clareza e precisão. Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, cerca de 10% da população entre 65 e 74 anos sofre de DMRI. Esse número tende a subir para 25% em pacientes acima dos 75. Para Paulo Jorge Saunders, os principais fatores de risco São a idade, a exposição exagerada ao sol ao longo da vida, sem proteção contra os raios UV, e o fator genético. “Fumantes, pessoas que adotam uma dieta pobre em vitaminas e rica em gorduras, obesos e portadores de doença cardiovascular também fazem parte do grupo de risco”, afirma o médico. A DMRI é uma patologia insidiosa, não causa sinais inflamatórios como vermelhidão e edema, caracterizando-se, portanto, pela perda da qualidade da visão. As queixas mais comuns são: enxergar linhas distorcidas, letras borradas na leitura ou uma mancha negra no centro da visão. Os danos são irreversíveis, mas a detecção precoce e o tratamento adequado podem ajudar a controlar alguns dos efeitos da doença.

Por Dr. Paulo Saunders

CategoryArtigos

Copyright © 2018 - Oftalmax.

Central de Atendimento        (81) 3036-2727